Mercado de trigo disponível segue andando de lado

O mercado de trigo disponível segue de lado no estado do Rio Grande do Sul, de acordo com informações que foram divulgadas pela TF Agroeconômica. “Há praticamente uma unanimidade em moinhos referirem-se a uma moagem mais baixa e a uma enorme dificuldade em repassar preços para as farinhas. Moinhos locais falam em R$ 1.500,00/1.520,00 interior, vendedor pede de R$ 1.550,00 a R$ 1.600,00 FOB. Safra nova, tradings indicando R$ 1.350,00 no porto, industrias de rações indicando de R$ 1.300,00 até R$ 1.420,00 FOB, dependendo de onde e que volumes. Vendedores pedem R$ 1.450,00 interior. Preços de pedra subiram para R$ 81,00 base Panambi”, comenta.

Em Santa Catarina a área cresceu 60%, produtividade poderá crescer 12% e produção atingir 307 mil toneladas. “O relatório mensal de acompanhamento das lavouras, divulgado nesta terça-feira pela EPAGRI registrou que em Santa Catarina, as operações de plantio encerraram na última semana de julho. A condição de lavoura é classificada como 100% boa, influenciado pelas condições climáticas favoráveis, apresentando boa sanidade e stand de plantas, com lavouras em pleno desenvolvimento vegetativo. Os eventos climáticos ocorridos (geadas com temperaturas baixas) não causaram danos a cultura. Merece atenção no momento, o baixo volume de chuvas, fator que preocupa técnicos e produtores”, completa.

Condição das lavouras no estado do Paraná piorou para 12% ruim, 27% média e 61% boa. “Maior produtor de trigo do país o PR foi o estado que mais sofreu com os danos da seca e das geadas. O relatório do DERAL desta terça-feira registra que as condições do trigo paranaense pioraram 2% para 12% ruins, 27% média e 61% boas. Com isto, a oferta de trigo panificável deverá ser grandemente reduzida”, conclui.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *