Índia quer cooperação técnica com Brasil para café

O Brasil é uma referência em café sendo o maior produtor do mundo e um dos maiores exportadores da bebida. Em 2020 foram produzidas 61,62 milhões de sacas de 60kg, volume 25% maior que 2019 e em 2021 foi estimada em 48,80 milhões de sacas de 60kg, queda que aconteceu em função da bienalidade da cultura.

Já na Índia a produção de café total em 2021/22, temporada que se entende de outubro 2021 a setembro 2022, deverá chegar a 5,41 milhões de sacas. No país o café é cultivado principalmente nos quatro estados do Sul, representando 99,7% de toda a produção de café. O estado de Karnataka, no sul da Índia, é o maior produtor nacional, representando 71% da produção total.

Agora o país asiático quer estabelecer uma parceria com o Brasil envolvendo instituições de pesquisa agropecuária dos dois países, com foco na cafeicultura. O embaixador da Índia no Brasil, Suresh K. Reddy, e o presidente da Embrapa, Celso Moretti, reuniram-se na última segunda-feira (9), para discutir os detalhes.

A Embrapa já tem parceria assinada com dois institutos indianos (o Indian Council of Agricultural Research – ICAR e o Department of Animal Husbandry and Dairying – DAHD), mas para viabilizar o novo acordo precisará assinar um memorando de entendimento com um terceiro órgão de pesquisa daquele país, responsável por coordenar estudos com café.

Os indianos se mostraram interessados em algumas tecnologias inovadoras brasileiras, como o uso consorciado de braquiária nas entrelinhas dos cafezais, o plantio direto, a irrigação com estresse hídrico controlado, adubação fostatada, o cultivo nas áreas de montanha, o controle biológico de pragas e doenças, uso de tecnologias de colheita e pós-colheita de baixo custo para melhorar a qualidade do café e o melhoramento genético, sendo esta uma área de interesse mais imediato para intercâmbio de germoplasma entre os dois países. O presidente da Embrapa ainda revelou algumas iniciativas pioneiras do Brasil para descarbonizar a agropecuária brasileira, como o Carne Carbono Neutro, a Soja Baixo Carbono e o Leite Baixo Carbono e o início das pesquisas para também incluir também as culturas de algodão e do café.

Moretti indicou o chefe-geral da Embrapa Café, Antônio Fernando Guerra, como ponto focal para discutir o memorando de entendimento a ser assinado e as prioridades que vão nortear o primeiro plano de trabalho. Mas também orientou que o embaixador se reunisse com o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC) para ampliar as bases da parceria com o Brasil.

Durante o encontro, Suresh Reddy manifestou-se interessado também em acelerar e ampliar as ações em andamento com o ICAR e o DAHD com as culturas de coco, cana-de-açucar, leite e de bubalinos. Com cana, o interesse está na experiência brasileira com produção de etanol, etanol de segunda geração e novas variedades desenvolvidas pela Embrapa tolerantes a seca, resistentes a insetos-praga e tolerantes a herbicidas. A Índia é o segundo maior produtor de açúcar do mundo, atrás somente do Brasil, mas toda a sua produção é utilizada para consumo interno e quase que exclusivamente de açúcar, daí o interesse em expandir a produção para uso do etanol nos carros indianos.

Além disso os dois países têm inúmeras parcerias nas áreas de genética animal e gado de leite, aquicultura, bioenergia e coco, melhoramento genético e genômica aplicada à resistência a doenças de ovinos e caprinos, nanofertilizantes, plantas medicinais e condimentares, leguminosas, pastagens, solo e mecanização da colheita de mamona.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *