Entenda os principais fatores que impactam o valor do café

Desde o plantio até o café chegar à mesa, o grão percorre um longo caminho. São muitos os fatores que influenciam o preço que se paga pela mercadoria na gôndola, como o câmbio em alta, o aumento nos custos dos insumos, o volume da safra, o clima e a continuação da pandemia. Segundo um estudo feito pela Associação Brasileira da Indústria de Café – ABIC, no período de dezembro/2020 até julho/2021, o valor pago pela matéria-prima está em média 82% mais caro. Porém, nas prateleiras, o reajuste de preço do café atingiu a média de 15,9% para o mesmo período, porcentagem muito abaixo dos 57% de aumento na média dos produtos considerados básicos, como o leite, o arroz, o óleo de soja e o feijão.

Margem da indústria está no pior patamar

De acprdp com as informações divulgadas pela assessoria, as margens das indústrias de café estão no pior patamar e muitas não serão capazes de evitar o repasse ao consumidor devido à forte valorização dos insumos, o que continua a ocorrer no mercado.

“Sem reajuste, há um comprometimento na sustentabilidade do negócio. Para o consumidor continuar tendo acesso a um produto de qualidade, que ele está acostumado, precisará compreender o reajuste que a prateleira irá apresentar. Diante deste cenário, o consumidor terá que ficar atento e desconfiar daquelas marcas que oferecem preços muito baixos”, alerta Celírio Inácio, Diretor executivo da ABIC.

Produção e abastecimento

Em 2020, houve uma boa colheita. Já a safra de 2021, começou a ser comprometida no primeiro trimestre deste ano, consequência da seca prolongada no parque cafeeiro e de um ano de baixa na bienalidade do café, que, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) , está estimada em 49 milhões de sacas. Entretanto, há 27 anos o Brasil não registrava uma geada tão intensa no parque cafeeiro, o que neste momento gera muita incerteza em relação ao tamanho da próxima safra. Essa situação afeta a oferta do café no mercado, fazendo com que os preços se movimentem. Neste momento, os preços da matéria-prima, calculados em reais, estão subindo como nunca antes testemunhado.

Consumo

O Brasil se manteve na posição de segundo maior consumidor de café do mundo e, apesar do cenário pandêmico, a procura por café seguiu seu ritmo de crescimento. O país registrou alta de 1,34% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Apesar das preocupações com o impacto econômico, os efeitos sociais e o bem-estar das pessoas têm grande relevância nessa engrenagem. O café sempre será um bom companheiro para superar crises. Hoje, no Brasil, temos cafés para todos os gostos e bolsos.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *