Chicória sem amargor? Agora existe!

Pesquisadores da Holanda desenvolveram uma variedade de chicória sem compostos amargos por meio de edição genética com o CRISPR, facilitando o uso de sua raiz, que é fonte de inulina, adoçante natural usado em alimentos. Com os genes estudados, também será possível reduzir o nível de amargor na endívia, espécie aparentada.

“No projeto europeu CHIC, estamos trabalhando em variedades melhoradas de chicória industrial (relacionada à endívia) que contêm fibra alimentar e compostos com propriedades medicinais potenciais”, afirmou Katarina Cankar, pesquisadora de plantas da Wageningen University University and Research.

A chicória é uma planta bonita com flores azuis, mas o interessante está no solo: as raízes principais da chicória são uma fonte de inulina, um adoçante natural usado em pães e laticínios e como fibra alimentar para o bom funcionamento do intestino . “A inulina tem um efeito positivo na saúde digestiva”, diz Katarina Cankar.

“Normalmente, a inulina deve ser separada dos compostos amargos (que também estão na raiz), pois eles causam um sabor amargo. Com novas técnicas de melhoramento como o CRISPR-Cas, pudemos desenvolver uma planta que não contém mais esses compostos amargos. Isso tornará o processamento mais barato e fácil, bem como mais sustentável, e permitirá uma aplicação mais ampla de inulina. Agora sabemos quais genes estão envolvidos na produção de compostos amargos, portanto, também podemos alterar o nível de amargor na escarola”, completou.

A nova técnica CRISPR-Cas tem como alvo específico o DNA da chicória, que é responsável pelas características desejáveis ou indesejáveis específicas da planta. “Uma técnica chamada edição de genoma faz pequenas alterações no DNA. Portanto, a chicória melhorada contém apenas seu próprio DNA ”, explicou Paul Bundock, da KeyGene.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *