Por que os microrganismos são a chave para a Nova Revolução Verde?

Com estimativas prevendo um salto de quase 1,2 bilhões de pessoas na população mundial até 2050 e com cerca de um terço do mundo já tendo alcançado o patamar mais alto de produção das principais culturas, fica a questão: como produzir alimentos para toda essa população? A resposta pode estar embaixo dos nossos pés:  na preservação  dos microrganismos  do solo.

A Nova Revolução Verde e os microrganismos 

Estima-se que a população mundial será de cerca de 9 bilhões de pessoas até 2050, a perspectiva é de que a quantidade de alimento produzido não será suficiente para sustentar todas as pessoas. Seria necessário então uma Nova Revolução Verde. Segundo o artigo A New Green Revolution?, publicado na Harvard Magazine:

“Em termos absolutos, o déficit projetado em lavouras de grãos básicos em 2050 é imenso – 394 milhões de toneladas a menos somente de arroz – e o caminho para rendimentos maiores é incerto”.

A Revolução Verde é um conceito que foi criado por Willian Gown em 1966, usado para se referir a um conjunto de técnicas e tecnologias agrícolas que surgiram a partir do ano de 1930. Elas visavam o melhor aproveitamento dos solos a fim de aumentar a produtividade das culturas e assim atender à crescente demanda mundial por alimentos.

Na década de 30, o alto índice de tecnologias, pesquisas e estudos no campo se iniciaram com o agrônomo estadunidense Norman Boularg, que ganhou um prêmio Nobel da Paz pelo desenvolvimento de plantações de alta produtividade e diversas inovações agrícolas.

Porém, o geógrafo Vitor Pereira de Souza aponta no artigo O pensamento agrário acerca da problemática socioambiental que o ritmo de crescimento da produtividade agrícola mundial vem decaindo e estão relacionados diretamente à viabilidade energética e aos impactos ambientais, como:

Erosão e a perda da fertilidade dos solos;
Destruição florestal;
Redução do patrimônio genético e da biodiversidade;
Contaminação dos solos, da água, dos animais silvestres, do homem  e dos alimentos;

Pesquisadores e agricultores preocupados com a situação, entretanto, já estão de olho em uma solução que pode ajudar a fazer com que a Nova Revolução Verde aconteça: os microrganismos.

As novas pesquisas, o desenvolvimento de novas técnicas e processos que aproveitem o potencial benéfico da coexistência entre plantas e os microrganismos são a chave para esses novos desafios da agricultura do século XXI.

O potencial dos microrganismos benéficos do solo na Nova Revolução Verde 

Para que uma Nova Revolução Verde aconteça é preciso reduzir os impactos ambientais e uma das táticas para isso é aumentar o uso dos microrganismos benéficos para a saúde do solo e das plantas.

Já existem técnicas que usam microrganismos para melhorar a fixação de nitrogênio no solo, que impacta diretamente na redução da utilização fertilizantes nitrogenados e nas perdas econômicas e ambientais geradas pela lixiviação e volatilização de nutrientes de fontes convencionais de adubação.

Outras pesquisas também estão sendo desenvolvidas, como o caso do professor e diretor do Departamento de Solos e Ciência de Lavouras da Universidade Estadual do Colorado, Matthew Wallenstein. Ele desenvolveu uma técnica que usa microrganismos para disponibilizar fósforo para as plantas.

No artigo From Flask to Field: How Tiny Microbes are Revolutionizing Big Agriculture, o professor apontou uma combinação de quatro bactérias que tornam o fósforo disponível para as plantas, através da quebra das ligações entre o fósforo e das partículas do solo. Os resultados demonstraram maior crescimento vegetal e plantas mais saudáveis  devido ao importante papel do fósforo no metabolismo da planta.

Mas não somente o fósforo pode ser disponibilizado para as plantas através dos microrganismos. Bactérias e fungos presentes no solo, através de processos bioquímicos, também conseguem disponibilizar outro nutriente importante para o crescimento das plantas: o potássio.

No artigo Potassium Solubilizing Microbes: Diversity, Ecological Significances and Biotechnological Applications, Dheeraj Pandey e outros pesquisadores da Universidade de Alahabad, escrevem sobre como os microrganismos, incluindo as micorrizas arbusculares, que também ajudam a combater as mudanças climáticas, são importantes para disponibilizar potássio:

“A aplicação de agentes biológicos como bactérias, fungos e micorrizas arbusculares podem oferecer uma fonte mais rápida e inesgotável de potássio para a absorção das plantas. Então, é preciso que se façam experimentos incluindo diferentes tipos de solo e inoculantes microbianos para encontrar a melhor combinação e torná-los disponíveis para os agricultores”.

O uso dos microrganismos também pode ser feito para aumentar características que vão favorecer a produtividade e qualidade das lavouras ou ainda aumentar a resistências das plantas as mudanças climáticas.

Também foi verificado que com o uso de cepas nativas de algumas bactérias resistentes a condições de estresse hídrico, os pesquisadores Adriana Marulanda, José-Miguel Barea e Rosário Azcon observaram que plantas que cresceram no solo com a presença dessas bactérias se tornassem mais resistentes a essas condições desfavoráveis.

Os resultados dessa pesquisa foram demonstrados no artigo Stimulation of Plant Growth and Drought Tolerance by Native Microorganisms (AM Fungi and Bacteria) from Dry Environments: Mechanisms Related to Bacterial Effectiveness.

Além disso, o pesquisador Kevin Panke-Buisse e outros pesquisadores da Cornell University, no artigo Selection on soil microbiomes reveals reproducible impacts on plant function, demonstraram que com o uso de comunidades de microrganismos, foi possível alterar traços de desenvolvimento de algumas espécies de flores, incluindo o seu tempo de florescimento.

Já a Doutora em Microbiologia Aplicada e professora da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Márcia Maria Rosa Magri, explica como os microrganismos contribuem para a melhor absorção dos nutrientes pela planta por meio de um processo chamado ciclagem.  Isso, além de melhorar a fertilidade do solo, contribui para a fixação do carbono no solo, reduzindo os impactos das mudanças climáticas.

Dessa forma, com cada vez mais pesquisas indicando que os microrganismos podem fazer bem ao solo e às lavouras, é preciso pensar também na utilização de insumos que preservem a microbiota do solo.

A escolha dos insumos agrícolas pode impactar no avanço da Nova Revolução Verde 

Se os microrganismos estão se tornando protagonistas no avanço da Nova Revolução Verde, também se torna importante a escolha de insumos agrícolas que promovam o desenvolvimento dessas comunidades benéficas para o crescimento e produtividade das culturas.

E para isso, é essencial a redução e substituição de insumos convencionais que possam trazer prejuízos para a microbiota do solo, como o Cloreto de Potássio (KCl). Além de gerar problemas para o solo, como a compactação, salinização e acidificação, esse fertilizante pode ocasionar prejuízos imensuráveis para os microrganismos, devido a presença de altas concentrações de cloro e um elevado índice salino.

Dessa forma, a Nova Revolução Verde depende não somente da manutenção e inoculação de microrganismos benéficos no solo, mas como também da utilização de fertilizantes com novas tecnologias que promovam o desenvolvimento dessas comunidades.

* informações Blog Verde.Ag

Da redação com Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *