Sistema de Mudas Pré-Brotadas terá certificação

A Vitivinícola Góes, localizada no Roteiro do Vinho da cidade de São Roque (SP), avança na produção de vinhos de inverno. A colheita nesta estação do ano é alcançada com a técnica da dupla poda.

Esse manejo consiste em podar (remover) as folhas do caule. A poda determina a quantidade e a localização dos gomos que originarão os frutos na temporada de crescimento.  Em geral a 1ª poda ocorre em agosto, e a colheita nesse caso será por meados de fevereiro (verão). A 2ª poda ocorre em janeiro e retarda seu ciclo natural, desta forma, o florescimento ocorre somente em maio e as uvas são colhidas no inverno. Portanto não ocorre a colheita em fevereiro, quando temos períodos de fortes chuvas no final do dia.

A intensidade da chuva pode ser extremamente prejudicial comprometendo a qualidade das uvas. Em São Roque, o inverno tem dias ensolarados e secos, com noites frias e praticamente sem chuvas, dessa forma, a poda invertida proporciona consistência na qualidade das uvas, garantindo vinhos com mais personalidade.

Além das tradicionais Cabernet Sauvignon Blanc, Sauvignon, Franc e Malbec que já estão em escalada de produção e firmaram sua história nos vinhos finos, outras variedades aparecem como promessa para esta safra. Nada mais, nada menos do que Alvarinho, Verdelho, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Petit Verdot, Tannat, Teroldego e Barbera D’Asti serão colhidas nessa época de inverno e a expectativa de bons vinhos só aumenta no portfólio de produtos da empresa.

São 30 hectares destinados ao plantio de uvas viníferas e oito exclusivamente para a técnica da segunda poda. “Isso aumentará no ano que vem, já prevemos 11 hectares. A qualidade das frutas sem dúvida é o que nos motiva a investir nesse sistema. O crescimento de um ano para o outro chegou a quase 50% e devemos obter à produtividade de 25 toneladas”, enfatiza Luciano Lopreto, diretor comercial da empresa.

Além da área produtiva a vinícola sempre reserva alguns hectares para testar novas variedades e, assim, a cada ano são descobertas castas que se adaptam bem ao terroir da região e após estudos, pesquisas e análises do vinho, eles entram para a linha de produção e fazem parte da gama de produtos oferecidos aos seus clientes. Este ano o destaque deve ficar na Alvarinho e Petit Verdot.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *