Presidente Jair Bolsonaro continua sem partido e nega candidatura independente

Por 

BANHO-MARIA

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (28) que, caso dependesse de sua vontade, já teria escolhido um partido para se filiar. A declaração foi feita a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. Ele segue em firme negociação com o Patriota, que está dividido. “O ideal é que não precisasse de um partido para disputar eleição. Seria o ideal. Agora, os partidos, todos têm seus problemas. Eu, por mim, já tinha escolhido um partido”, alegou o presidente da República.

BANHO-MARIA (2)

Um dos problemas quer trava a ida de Bolsonaro para o Patriota é a dificuldade em levar junto com ele parlamentares filiados ao PSL, como prometido. É o patriota tem pouco tempo na propaganda política gratuita na televisão e fundo partidário menor, obviamente.  “Quem vier para o partido sabe que não vai ter televisão, nem dinheiro. No PSL tem bastante dinheiro e bastante televisão, são R$ 8 milhões por mês. Agora, eu estou preocupado com R$ 8 milhões de fundo partidário? Não tenho preocupação com isso”, disse Bolsonaro. Questionado por um dos apoiadores se haveria chance de candidatura independente, Bolsonaro foi firme. “Não. Pode esquecer isso daí”.

BANHO-MARIA (3)

Em vista das eleições de 2022, o presidente Jair Bolsonaro tem pressa em escolher a nova sigla para sua filiação, já que está desde o final de 2019 sem um partido, quando deixou o PSL e anunciou a criação do Aliança pelo Brasil. Como a legenda fracassou em reunir a tempo assinaturas suficientes para se registrar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Bolsonaro manteve conversas com outras siglas, como PL, Republicanos, PTB, PRTB, PP e o próprio PSL, mas encontra dificuldades nas negociações. Pelo que parece, o banho-maria vai continuar um pouco mais. Há quem aposta numa filiação no último segundo da prorrogação.

POLÊMICA DA MÁSCARA

O julgamento da ação movida pelo PSDB no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a seguir as recomendações sobre uso de máscara e distanciamento social na pandemia deve ficar para o próximo semestre. Há duas semanas, o ministro Edson Fachin, relator do pedido, liberou o processo para julgamento, mas ele ainda não foi marcado. Cabe ao presidente da Corte, Luiz Fux, incluir o item na pauta. Como o tribunal encerra os trabalhos do semestre nesta semana, a última antes do recesso do meio do ano, a expectativa é que o tribunal não visite o caso nos próximos dias. Fachin submeter o processo direito para análise colegiada, sem tomar uma decisão liminar individual na ação. Ao STF, o governo disse ter adotado ‘diversas ações’ para enfrentamento da covid-19 e defende ser ‘dispensável’ qualquer ordem judicial que se sobreponha aos decretos vigentes.

MAIS PERTO DO STF

É cada vez mais certa a indicação do advogado-geral da União, André Mendonça, para ocupar a vaga que será deixada pelo ministro Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). Se confirmada, a chegada dele à mais alta Corte do país vai representar a primeira vez que um pastor de igreja evangélica — a Presbiteriana Esperança de Brasília — toma assento em uma das cadeiras que representam a cúpula do Poder Judiciário. No Senado, apesar de algumas resistências, ele deve ser aprovado com folga na sabatina que chancela a chegada de um indicado ao posto. Mesmo parlamentares de oposição avaliam não existirem entraves jurídicos a Mendonça. No entanto, o presidente Jair Bolsonaro, responsável por indicar o substituto, ainda não bateu o martelo.

BOM SINAL

Setor industrial completa 10 meses sem queda nos empregos, como aponta a Sondagem Industrial do mês de abril da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgada nesta segunda-feira (28). De acordo com a pesquisa, o índice de evolução do número de empregados ficou em 50,0 pontos em abril. O índice de evolução da produção ficou em 46 pontos, abaixo da linha divisória de 50 pontos que separa alta de queda da produção. Segundo a confederação, abril costuma ser um mês de atividade industrial mais fraca na comparação com o mês anterior, de forma que nos meses de abril o número costuma ficar abaixo de 50 pontos. O índice em 2021 supera o do mesmo mês de 2020, quando a atividade industrial ficou praticamente paralisada por conta da pandemia, mas é inferior ao dos dois anos anteriores.

AGRONEGÓCIO

 

Plano Safra e a atividade no campo garantiram alimentação aos brasileiros, durante a pandemia, segundo o presidente da República, Jair Bolsonaro. A afirmação foi feita durante participação do presidente no lançamento da linha de crédito do Banco do Brasil (BB) para o Plano Safra 2021/2022, na manhã desta segunda-feira (28). “O campo não parar (em meio à pandemia) garantiu não só a nossa segurança alimentar, bem como alimentação para mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo”, afirmou o presidente. Para Bolsonaro, o cenário de crise sanitária não prejudicou, mas alavancou o agronegócio. “O agro não parou durante a pandemia, muito pelo contrário, produziu mais ainda pela abnegação, vontade e coragem do nosso homem do campo”, disse durante o evento.

CPF CANCELADO

O presidente Jair Bolsonaro comentou nas redes sociais sobre a morte do criminoso Lázaro Barbosa, 32 anos. As buscas pelo homem chegaram ao 20º dia e ele foi a óbito em confronto com a polícia, em Águas Lindas de Goiás. No Twitter Bolsonaro escreveu em caixa alta: “Lázaro: CPF CANCELADO”. E continuou: “Parabéns aos heróis da PM-GO por darem fim ao terror praticado pelo marginal Lazaro, que humilhou e assassinou homens e mulheres a sangue frio. O Brasil agradece! Menos um para amedrontar as famílias de bem. Suas vítimas, sim, não tiveram uma segunda chance.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *