Tecnologia de embriões alcança 65% de prenhez

A Agro Maripá, em parceria com o veterinário Leonardo de Barros Fernandes, realizou, pela primeira vez, a transferência de embriões (TE) por meio de videolaparoscopia em matrizes selecionadas do rebanho de caprinos. O procedimento realizado na Fazenda Castelo, em Jaguariúna (SP), alcançou 65% de prenhez, com gestações gemelares. O resultado maximiza o potencial reprodutivo das fêmeas e aumenta a qualidade genética dos exemplares, mantendo fidelidade ao padrão da raça.

As cabras da Agro Maripá são da raça suíça Saanen, que passaram por melhoramento genético na França. As fêmeas são reconhecidas pelo seu alto índice de produção leiteira. Atualmente, o plantel apresenta uma produção média diária de 3 kg de leite por cabra. Para o criador Marcelo Baptista de Oliveira, dono da Agro Maripá, é justamente a multiplicação dessa genética de melhor desempenho leiteiro que fundamenta os primeiros testes com a nova técnica de reprodução, com as melhores fêmeas da fazenda.

“Levamos em consideração fatores distintos para escolher as seis doadoras e as 12 receptoras dos embriões. Nas doadoras analisamos a conformação, produção leiteira e os títulos ganhos em exposições. Já as receptoras foram eleitas de acordo com a análise de porte, a ausência de Artrite Encefalite Caprina (CAE, na sigla em inglês) e a semelhança de padrões com as doadoras, porém sem títulos em exposições e lactações tão expressivas”, conta Marcelo.

Leonardo, médico veterinário especialista em transferência de embriões via videolaparoscopia em caprinos e ovinos, realizou o procedimento nas matrizes. Ele explica que, “após selecionadas, as fêmeas doadoras passam pelo processo de fecundação por inseminação artificial e as receptoras são estimuladas a acompanhar o ciclo estral. Os embriões formados são então coletados via videolaparoscopia e transferidos para as receptoras, que seguem com a gestação”. A técnica, além de menos invasiva para os animais, garante maior precisão na fecundação.

Os resultados do primeiro procedimento de TE nos exemplares da Agro Maripá foram surpreendentes, de acordo com a empresa. As seis matrizes sincronizadas geraram 39 embriões viáveis, o equivalente a 65% de prenhez. “Ao usar a técnica, podemos alcançar um rápido aumento na qualidade genética do rebanho, mantendo o padrão da raça em um nível elevado e diferenciando nossos animais de mais de 90% dos rebanhos do mercado. Pois, o que fisiologicamente demoraria de cinco a dez anos, a empresa pode conquistar em apenas um”, conta Marcelo.

Ainda que a transferência de embriões apresente resultados superiores às técnicas de manejo de reprodução tradicionais, como monta natural e inseminação artificial, ela é pouco usada no País. A falta de mão de obra especializada e a baixa oferta de bom material genético, que tem um custo mais elevado, explicam o fato de aproximadamente só 5% dos criadores trabalharem com investimentos em alta genética. Na Agro Maripá, a TE está sob avaliação e ainda não será aplicada em todo rebanho, que hoje soma cerca de 200 animais.

Seguir investindo na padronização e melhoramento do plantel é um princípio da Agro Maripá, que além dos trabalhos com alta genética, se preocupa em ofertar ambiente e alimentação saudáveis, exposição adequada ao sol e processo de ordenha confortável, para manter a excelência de desempenho do rebanho.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *