Em Mato Grosso nascentes em propriedades rurais estão 99% preservadas

Um levantamento realizado pelo projeto Guardião das Águas, de iniciativa da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) verificou as nascentes de água localizadas nas propriedades rurais da região Norte do Estado, em áreas agricultáveis nos municípios de Cláudia, Santa Rita do Trivelato, Nova Mutum, Nova Ubiratan, Porto dos Gaúchos e Tabaporã. O resultado mostrou que 99% delas estão preservadas.

As demais cidades mapeadas, Santa Carmem, Sinop, Sorriso, Ipiranga do Norte, Vera, Feliz Natal, Lucas do Rio Verde e Tapurah preservam entre 95% e 98%. Todas as nascentes foram encontradas em área de plantio, em bom e ótimo estado de conservação. Em Primavera do Leste, região Sudeste do Estado os produtores preservam 97% das nascentes. O estudo apontou que, das 259 fontes encontradas em áreas agricultáveis, 250 estão em ótimo estado de conservação. O município possui 194.329 mil hectares de plantio de milho e 285.507 mil hectares de cultivo de soja.

Criado há três anos, o estudo identificou 63.859 fontes em 34 municípios do Estado. “Em todas as regiões do Estado, onde temos áreas agricultáveis os produtores estão preocupados em preservar o meio ambiente. Prova disso é o resultado desse mapeamento que aponta 95% das nascentes em propriedades rurais estão em ótimo estado de conservação, e algumas delas intactas”, declarou o presidente da Aprosoja, Fernando Cadore.

Marlene Lima, gerente de Sustentabilidade da Aprosoja e responsável pelo projeto, afirma que, “esse mapeamento realizado pelo Guardião das Águas mostra números reais de práticas de preservação e conservação das nascentes em áreas agricultáveis, pelos produtores rurais”.

Ainda para 2021 o projeto vai levantar dados das nascentes nos municípios de Nova Maringá, Água Boa, Santo Antônio do Leste, Alto Garças, São José do Rio Claro, Itanhangá, Ribeirão Cascalheira, São José do Xingú, Marcelândia, Alta Floresta, Comodoro e Alto Taquari.

“A sustentabilidade no agronegócio envolve práticas ambientais nas atividades agrícolas, bem como adoção de novas tecnologias e aplicação de métodos sustentáveis na rotina do campo. Prova disso é a preservação das nascentes em propriedades rurais, em média 95% delas em ótimo estado de conservação”, declarou Cadore.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *