Startups do agro se destacam entre as 100 mais promissoras do Brasil; saiba quais são

Revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios revelou nesta sexta-feira, 4, as 100 startups mais promissoras do Brasil, do ranking “100 Startups to Watch 2021”. Entre elas, nove são do agronegócio. A lista leva em consideração as startups mais atraentes do mercado, com negócios inovadores  e altamente escaláveis. O ranking é uma amostra do que o Brasil tem de mais promissor em inovação.

O “100 Startups to Watch 2021”, que está em sua quarta edição, é elaborado por Pequenas Empresas & Grandes Negócios, Época Negócios, Elogroup e Innovc. De um total de 2.063 empresas inscritas, 100 foram selecionadas por uma banca de 27 jurados, entre consultores, investidores e representantes de comunidades de startups.

Entre janeiro e maio de 2021, as startups captaram US$ 3,2 bilhões em aportes, o que representa 90% do que foi investido durante todo o ano de 2020. Nesse mesmo intervalo foram registradas 91 fusões e aquisições. Os dados são do Inside Venture Capital Report, relatório produzido pelo Distrito Dataminer, braço de inteligência da plataforma de inovação aberta Distrito. “O momento de crise pede agilidade, flexibilidade e inovação. E esse é o modelo mental seguido por todas as startups”, diz Felipe Matos, presidente da Associação Brasileira de Startups (ABStartups).

Confira as nove empresas do setor do agronegócio que figuram entre as 100 Startups to Watch 2021, em ordem alfabética:

AgriConnected

A startup fundada em 2017 criou uma plataforma de inteligência artificial que combina dados sobre cultivo e geolocalização, para recomendar as melhores práticas de gestão da frota agrícola. O serviço auxilia o produtor nas tomadas de decisão, calculando o tempo e o custo de suas operações. A Agriconnected quintuplicou seu faturamento de 2019 para 2020.

Agrotools

A startup oferece serviços de inteligência para a agroindústria, supply chain, gestão de riscos para crédito rural e seguro agrícola. Durante a pandemia, a empresa teve crescimento de 60% e agora planeja abrir operações de crédito rural. Entre seus 120 clientes, estão nomes como McDonald ‘s, BRF e Bayer. Foi fundada em 2007.

DigiFarmz

A startup auxilia agrônomos e produtores no manejo fitossanitário de doenças da soja através de uma plataforma digital que combina dados de pesquisas, informações sobre clima, genética, data de semeadura e outros parâmetros.

Leia mais notícias sobre Inovação no site da Globo Rural

Grão Direto

Fundada em 2017, a startup possibilita a compra e venda digital de commodities. Além disso, oferece preços médios de diferentes culturas e monitora o mercado de cotações da bolsa e do dólar. A Grão Direto recebeu aporte de R$13,5 milhões em fevereiro de 2021.

IoTag

A startup oferece uma tecnologia embarcada em máquinas agrícolas que oferece uma gestão mais eficiente da performance no campo com redução de custos. Em 2020, recebeu dois aportes de R$400 mil e R$200 mil, respectivamente.A empresa nasceu em em 2017.

Olho do Dono

Criada em 2015, a proposta da startup é pesar o boi no pasto através de uma câmera 3D, que possibilita economia de tempo e mão de obra ao criador. A Olho do Dono ficou entre as 14 selecionadas pela Agtech Program, da Plug and Play, e entre as 12 do Scale Endeavor Agrotech.

Leia mais notícias sobre Agtech no site da Globo Rural

Scicrop

A startup desenha toda infraestrutura digital, com implementação de plataformas integradas, transferência de conhecimento e modelagem de dados, baseado em em datas analytics. Faturou R$2,1 milhões em 2020. Fundação: 2016.

Solubio

A startup oferece tecnologia para que o produtor produza defensivos biológicos na própria fazenda, com redução de custos de até 40%. Em dezembro de 2020, recebeu um aporte de R$13,5 milhões do Brasil Venture Debt. Com o investimento, pretende construir uma fábrica de insumos para aumentar a capacidade de produção de biológicos.

TerraMagna

A startup monitora lavouras através de satélites e inteligência artificial com o objetivo de garantir segurança nas operações financeiras de bancos, cooperativas e agroindústrias. Em 2020 ,recebeu aporte de US$2 milhões (R$ 11 milhões) e sua última aposta foi disponibilizar R$ 100 milhões em parceria com outras empresas, para financiar atividades agrícolas.

Da redação com a Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *