Cientistas norte-americanos focam na soja do futuro

Prever a saúde das plantas no campo pode ser uma tarefa difícil, mas os cientistas do Serviço de Pesquisa Agrícola (ARS) estão ajudando os produtores de soja na Carolina do Norte ao introduzir inteligência artificial (IA) em seus kits. De acordo com  Anna Locke, uma fisiologista de plantas da Unidade de Pesquisa de Fixação de Nitrogênio e Soja, na Carolina do Norte, o murchamento lento das folhas é um indicador confiável de que as plantas de soja podem carregar um gene que as protege dos danos causados pelo estresse hídrico.

Pode parecer um processo simples, mas os criadores de soja precisam de uma maneira de avaliar a taxa de murcha de folhas em centenas ou milhares de parcelas em um tempo muito curto. “Estamos trabalhando para automatizar o processo programando uma câmera para tirar fotos automaticamente e, em seguida, treinando um computador para avaliar as imagens para nós”, disse Locke. “Isso economizaria muito tempo aos pesquisadores, porque agora temos que caminhar pelo campo e estimar visualmente a murcha das folhas manualmente.”

O papel de Locke no projeto é ajudar a criar o conjunto de dados de treinamento para o algoritmo de aprendizado de máquina. “Em nossa primeira tentativa, a IA teve cerca de 80 por cento do sucesso de um ser humano em atribuir a mesma classificação a uma imagem murcha de folha”, disse ele. “Estamos tentando melhorar essa taxa usando um conjunto de dados de treinamento mais amplo e diversificado. Como as pessoas, se o computador tiver mais e melhores exemplos, aprenderá a fazer melhor a tarefa.

Apesar da mudança climática, os agricultores americanos produziram 4,14 bilhões de alqueires de soja em 2020, 16 por cento a mais do que em 2019. O projeto de Locke ajudará os pesquisadores a desenvolver variedades de soja mais tolerantes à seca que irão melhorar e protegerão os resultados dos agricultores em épocas de cultivo seco e fornecerão safras mais ricas em proteínas e ambientalmente corretas para alimentar a crescente população mundial.

Da redação com Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *