Produtores argentinos criticam taxa de exportação da carne

Pequenos e médios produtores de carne da Argentina estão  alertando sobre a criação de cadastros para exportação de carnes, o que renderia aos populares ROEs, ou impostos sobre exportação similares às retensiones. A Federação Agrária Argentina (FAA) destacou que, com a publicação da Provisão 59/21 da Direção Nacional de Controle Comercial Agropecuário (ex-ONCCA), foram confirmadas as “piores suspeitas” dos produtores.

“O governo criou um mecanismo para proibir, travar, restringir, direcionar e manipular as exportações de carnes uma a uma . Antes eram as ROE, agora sob o discurso do controle da informalidade e da evasão estão os Atestados de Vendas Estrangeiras (DJEC) aplicam uma fachada para consagrar a volta de um desastroso sistema de gestão das exportações de carnes ” , diz o comunicado da entidade de pequenos e médios produtores.

A FAA lembra que enquanto existiam ROE (entre 2006 e 2015) , foram perdidos 17.000 empregos no setor, 100 frigoríficos e 10 milhões de cabeças de gado , além do fato de o preço da carne na “mesa argentina” ter subido várias vezes mais do que inflação. “Embora o seu fracasso tenha sido fenomenal, esse sistema é aquele que o governo acaba de reimplantar, com outro nome, acrescentando-lhe a ‘epopéia fictícia’ de um discurso anti-evasão que não convence ninguém e com o qual mentem nossos rostos “, acrescentam.

A disposição 59/2021 do último sábado diz no seu artigo 3º: “Uma vez que os DJECs entrem no Ministério da Agricultura, Pecuária e Pesca , ficarão pendentes enquanto o Órgão de Fiscalização analisa o seu conteúdo”.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *