Presidente da CNA participa do lançamento de Unidade Mista de Pesquisa e Inovação do Cacau

AO presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, participou, na última quarta (5), da cerimônia virtual de lançamento da Unidade Mista de Pesquisa e Inovação (UMIPI-Cacau), que funcionará em Ilhéus (BA).

A iniciativa é uma parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) para aplicar pesquisa e conhecimento tecnológico para o desenvolvimento e fortalecimento da produção de cacau no país.

Para Martins, a inauguração da unidade é um marco histórico de esperança e recuperação da lavoura cacaueira e representa um estímulo os produtores e para o país voltar a ser autossuficiente na produção de cacau.

Segundo ele, tanto a CNA quanto o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), além das federações dos principais estados produtores, podem contribuir com Embrapa, Ceplac e Ministério da Agricultura para que o país retome os altos índices produtivos do passado.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, reforçou a importância da cacauicultura não apenas na geração de emprego e renda, mas também na preservação ambiental. Ela explicou que hoje o Brasil é o quinto maior consumidor mundial e o sétimo maior produtor, mas a produção não atende à demanda do mercado interno.

Desta forma, ressaltou, a meta é fazer com que o país volte a ser autossuficiente na produção em 2025. Na sua avaliação, a atuação conjunta de Embrapa e Ceplac, em parceria com CNA, Senar, federações, cooperativas e entidades de pesquisa vão contribuir para a retomada da atividade cacaueira.

Waldeck Araújo, diretor da Ceplac, explicou que uma das ideias é desenvolver tecnologias para criar bancos de germoplasmas com variedades que tornem o cacau mais resistente a doenças e se adapte a outras regiões do país, uma vez que a produção ocorre praticamente em dois biomas, Mata Atlântica e Amazônia, apesar de já haver produção no Cerrado e no Vale do São Francisco.

Outra proposta da parceria entre Ceplac e Embrapa é formar uma rede de pesquisa e inovação para reunir mais subsídios e recursos para aplicação de tecnologia Os dois órgãos pretendem, ainda, explorar o lado sustentável da produção cacaueira por meio de sistemas agroflorestais e fortalecer o manejo da lavoura.

Para o presidente da Embrapa, Celso Moretti, a união de forças, compartilhando o conhecimento e a infraestrutura dos dois órgãos, vai proporcionar o desenvolvimento sustentável da cultura lavoura cacaueiro. Já o secretário de Inovação e Desenvolvimento Rural do Ministério da Agricultura, Fernando Camargo, falou das peculiaridades que tornam o Brasil diferenciado na produção de cacau.

Serão investidos R$ 4,7 milhões em pesquisa e transferência de tecnologia, mas, segundo a ministra Tereza Cristina, a ideia é buscar recursos próximos a R$ 15 milhões para ajudar a fortalecer o setor nos próximos anos. O Brasil é o sétimo produtor mundial de cacau atualmente. Pará e Bahia são os principais estados produtores.

Senar e parceiros promovem reunião de mobilização do Projeto ATeG Mais Cacau

Família capixaba produz 18 produtos diferentes a partir do cacau

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *