Certificação fitossanitária eletrônica completa um ano

Há um ano Argentina e Chile foram os primeiros no mundo a implementar a certificação fitossanitária eletrônica para exportação e importação mútua de produtos e subprodutos de origem vegetal. O chamado e-Phyto (em inglês) tornou o comércio internacional mais fácil, seguro e transparente e dispensa o papel.

Desde então os dois países sul-americanos já emitiram mais de 12 mil certificados fitossanitários eletrônicos. Depois de implementá-lo com o Chile, a Argentina continuou a fortalecer o uso desse sistema digital e hoje o utiliza também com os Estados Unidos, Sri Lanka e Costa Rica. Paralelamente, estão sendo feitos testes para iniciá-lo com Paraguai, Colômbia, México, Peru, países da União Européia e China . Da mesma forma, os países que integram o Comitê Fitossanitário do Mercosul (COSAVE) – Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai – expressaram seu compromisso com a implementação do e-Phyto até 2021.

O e-Phyto foi uma ferramenta fundamental no intercâmbio comercial no atual contexto global da pandemia COVID-19, em que se restringiu o transporte aéreo e os serviços de correio, principal meio de envio de certificados. Produtos fitossanitários em papel.

A implantação desse sistema digital reduziu custos e tempos na emissão de certificados, reduziu os casos de documentos fraudulentos e favoreceu o cuidado com o meio ambiente, uma vez que o uso de papel é eliminado.

O desenvolvimento do “Sistema e-Phyto” é uma iniciativa da Convenção Internacional de Proteção de Plantas (IPPC) da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) que incentiva a implementação dos países contratantes, permitindo a manutenção do comércio internacional de artigos de forma fácil, transparente, segura e digital.

Da redação com o Agrolink

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *