Identificada 1ª transferência genética planta/inseto

A transferência de genes entre reinos diferentes ocorre com muito mais frequência do que pensamos, no entanto, até agora a transferência de genes de uma planta para um inseto não foi detectada. Agora, a descoberta de uma mosca branca que usa um gene de planta roubado para contornar as defesas de seu hospedeiro pode oferecer uma rota para novas estratégias de controle seletivo de pragas.

O achado, postado hoje na revista Cell , é o primeiro exemplo conhecido de transferência natural de um gene de uma planta para um inseto. Isso também explica o motivo pelo qual a mosca-branca Bemisia tabaci é tão adepta da mastigação de plantações: o gene que extrai das plantas permite que ela neutralize uma toxina que algumas plantas produzem para se defenderem dos insetos.

Trabalhos iniciais sugerem que a inibição desse gene pode tornar as moscas brancas vulneráveis à toxina, fornecendo uma rota potencial para combater a praga . “Isso expõe um mecanismo pelo qual podemos inclinar a balança a favor da planta”, diz Andrew Gloss, que estuda as interações planta-praga na Universidade de Chicago em Illinois. “É um exemplo notável de como o estudo da evolução pode trazer novas abordagens para aplicações como proteção de cultivos.”

A minúscula mosca branca, que está mais intimamente relacionada aos pulgões do que às moscas, causa estragos na agricultura em todo o mundo. B. tabaci está entre as pragas de plantas mais destrutivas: as moscas-brancas absorvem a seiva açucarada de centenas de tipos de plantas, enquanto excretam uma substância pegajosa e doce chamada melaço, que serve como criadouro de mofo. As moscas-brancas também são vetores de mais de 100 vírus de plantas patogênicas.

Da redação com o AGROLINK

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *