Produtores de MS devem colher na temporada 2018/2019 maior produção das últimas sete safras: 71 mil toneladas

Mato Grosso do Sul deve colher no ciclo 2018/2019 a maior produção de algodão das últimas sete safras. A expectativa da Associação Sul-Mato-Grossense dos Produtores da cultura (Ampasul) é que o volume de algodão em pluma chegue a 71 mil toneladas.

Desde a temporada 2011/2012, quando colheu 84,6 mil toneladas, conforme a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o estado não registrava uma colheita tão expressiva do algodão quanto deve obter no ciclo atual.

Na safra 2012/2013 foram, de acordo com empresa pública federal, 68,1 mil toneladas; no 2013/2014, 63,3 mil toneladas; no 2014/2015, 55,3 mil toneladas; no 2015/2016, 48,3 mil toneladas, no 2016/2017, 49,1 mil toneladas e no 2017/2018, 56,1 mil toneladas.

Segundo o diretor executivo da Ampasul, Adão Hoffmann, a expectativa de uma produção histórica ocorre em razão de três fatores. O primeiro é o incremento de 24,6% na área cultivada, que passou de 30,4 mil hectares para 37,9 mil hectares.

Hoffmann explicou que o aumento de área cultivada se deve principalmente ao plantio consorciado, com o algodão avançando em áreas que antes eram dedicadas a outras culturas, como a soja e o milho, ou até a outras atividades, como a pecuária.

Além disso, deve contribuir também para esse salto de produção, o emprego de novas tecnologias e o empenho e a dedicação dos produtores a cultura.

O diretor da Ampasul lembra que no estado, o cultivo do algodão se concentra em duas regiões o centro-sul, onde a colheita da atual safra já foi finalizada, e o centro-norte onde os trabalhos devem se estender até o fim de agosto.

Com esse volume de produção, a entidade aponta que o estado deve ocupar a posição de quinto maior produtor brasileiro, atrás somente de: Mato Grosso, Bahia, Goiás e Minas Gerais.

Para atender a crescente demanda por serviços e ações voltadas para a cultura, Hoffamann diz que a Ampasul, que em agosto completa 20 anos de fundação, está investindo cerca de R$ 20 milhões em sua nova sede, no município de Chapadão do Sul.

O complexo terá 4.200 metros quadrados, incluindo espaço administrativo, centro de eventos para 1.350 pessoas, que será utilizado em palestras, cursos, treinamentos e eventos, além de amplo e moderno laboratório de classificação de algodão, que atenderá produtores de todo o Mato Grosso do Sul e também de estados vizinhos.

Da Redação com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *