JBS e outras 3 são acusadas de conspiração para reduzir preços pagos a criadores de gado dos EUA

Quatro das maiores empresas de empacotamento de carne bovina que operam nos Estados Unidos foram acusadas nesta terça-feira (23) de violarem a legislação federal antitruste, conspirando para reduzir preços que pagavam aos pecuaristas pelo gado, mesmo com os valores da carne de varejo rondando níveis recordes.

Tyson Foods, Cargill, a unidade norte-americana da JBS e a National Beef Packing foram acusadas de conluio desde janeiro de 2015 para suprimir o preço de gado alimentado, que é o animal criado especificamente para produção de carne, com objetivo de expandirem margens e a lucratividade.

A reclamação de 104 páginas, feita pelo Fundo de Ação Legal dos Pecuaristas Unidos da América (R-Calf, na sigla em inglês) e por outros quatro fazendeiros, foi protocolada na corte federal de Chicago, e busca indenizações compensatórias e punitivas.

O processo se assemelha ao litígio em que empresas, incluindo Tyson e JBS, foram acusadas de conspirar para fixar preços de frangos de corte e suínos, protocolada no mesmo tribunal.

A Tyson afirmou que a ação é “infundada, e que assim como nos processos a respeito das carnes de frango e suína, não há mérito para a alegação de que participou de conluio. “A Tyson deseja que seus fornecedores sejam bem sucedidos”, acrescentou.

As outras empresas não responderam de imediato a pedidos de comentários.

O esquema

De acordo com a reclamação, Tyson, Cargill, JBS e National Beef conspiraram para suprimir preços através de táticas como importações de gado estrangeiro com prejuízo, fechamento de abatedouros e redução dos volumes de compra e abate.

A conspiração “gerou entre produtores uma apreensão de que não seriam capazes de ‘matar seu gado'” a não ser que os preços fossem reduzidos, e levou a uma diminuição artificial média de 7,9% nos preços dos bovinos, afirmou a ação.

Tyson, Cargill, JBS e National Beef controlavam mais de 81% do mercado norte-americano de gado alimentado em 2017, com mais de US$ 48 bilhões em vendas de carne bovina naquele ano fiscal.

O processo visa “prevenir que os quatro maiores produtores capturem o mercado de gado dos EUA dos produtores independentes norte-americanos”, disse o presidente executivo do R-Calf, Bill Bullard, em comunicado divulgado pelos seus advogados. “Esperamos que os pecuaristas dos EUA possam ser compensados pelos anos de perdas significativas.”

Da Redação com informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *