Genes aceleram pesquisa em cultivos resistentes à seca

Cientistas do Laboratório Nacional Oak Ridge do Departamento de Energia dos Estados Unidos identificaram um conjunto de genes que permitirá a plantas resistentes à seca a sobreviver em condições semiáridas. Essas plantas crescem em lugares secos mantendo seus estômatos, ou poros, fechados durante a conservação da água e abertos à noite para coletar dióxido de carbono. Essa forma de fotossíntese, conhecida como metabolismo do ácido crassulaceano, evoluiu depois de milhões de anos, desenvolvendo características de economia de água em plantas como Kalanchoe, orquídea e abacaxi.

“O metabolismo do ácido crassulaceano é um mecanismo provado como melhorador da eficiência da água em plantas. Como revelamos que os blocos que fazem a fotossíntese desse metabolismo, nós seremos aptos a desenvolver os processos metabólicos de cultivos pesados em água com arroz, trigo, soja e álamo para acelerar a adaptação deles a ambientes com água limitada”, afirmou o co-autor do estudo Xiaohan Yang.

Os cientistas estão examinando uma variedade de plantas resistentes à seca para revelar o mistério da fotossíntese do metabolismo do ácido crassulaceano. Para este trabalho, a equipe do laboratório sequenciou o genoma do Kalanchoe, um modelo emergente da pesquisa genômica do metabolismo em função do seu genoma relativamente pequeno e a acessibilidade para modificação genética.

Com informações do portal Agrolink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *