Adidos Agrícolas conhecem prioridades do setor agropecuário

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, abriu nesta quarta (8), em Brasília, o encontro com dez novos adidos agrícolas que serão responsáveis por defender os interesses do setor agropecuário junto às embaixadas brasileiras.

Foto: CNA Notícias

O objetivo do encontro foi apresentar e discutir as principais demandas e desafios para alavancar a participação do agro no mercado internacional. A parceria entre setor público e privado contribui para diversificar a pauta exportadora e para gerar novas oportunidades de negócios também para pequenos e médios produtores, gerando empregos e fortalecendo o setor agropecuário.

“É uma satisfação muito grande recebê-los aqui e quero que vocês tenham a certeza que a casa está aberta para todos aqueles que queiram colaborar com nossa atividade”, disse Martins no início do evento.

O presidente destacou que a CNA ajudou o país a ser o maior exportador de carne e que irá trabalhar para torná-lo também o maior exportador de produtos lácteos. “Estamos trabalhando para isso e esperamos contar com a ajuda de todos vocês.”

Para o secretário de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Odilson Ribeiro, a CNA é uma parceira importantíssima para o trabalho dos adidos.

“Se não fosse a CNA não teríamos criado essa área importante para o agro brasileiro. Até 2019 teremos 25 adidos cobrindo 40 países e esperamos que eles possam contribuir para melhorar cada vez mais a renda do produtor brasileiro, fazendo o Brasil exportar mais com maior valor agregado”, destacou.

Segundo a superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra, que apresentou as prioridades do setor, “a entidade quer ajudar a melhorar a competitividade do país como um todo”.

“Uma das prioridades da CNA é aumentar a classe média rural, pois com isso teremos novas opções de negócios, melhorando a competitividade, tendo aumento no ganho de renda e diversificando as exportações.

Além disso, precisamos promover maior acesso aos mercados, fechar novos acordos comerciais, facilitar o comércio e reduzir as barreiras”, afirmou.

A atuação do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) também foi apresentada aos adidos agrícolas durante o encontro. “Nosso trabalho é garantir que o produtor produza e gere renda com qualidade”, afirmou o Diretor-Geral da entidade, Daniel Carrara.

Ele destacou a importância da Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) para o desenvolvimento do setor. “Fazer apenas a capacitação do produtor não garante renda, por isso a assistência técnica é o diferencial. Já atendemos 90 mil produtores até agora e a meta é, em cinco anos, ter 400 mil produtores assistidos”, disse.

O superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, falou sobre as atividades da área técnica e colocou a estrutura do departamento à disposição dos adidos.

“Precisamos trabalhar a imagem positiva e realista da produção brasileira e esperamos que vocês sejam realmente defensores e porta-vozes do setor. O leque de desafios será muito grande, mas coloco à disposição de vocês a estrutura da Superintendência Técnica porque queremos transformar o agro em um setor cada vez mais competitivo e que traga mais renda para o produtor rural”, afirmou.

Por CNA Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *