Planície do Pantanal está preservada graças à pecuária

Com o apoio da WWF-Brasil, a Associação Brasileira de Produtores Orgânicos (ABPO) lançou o “Protocolo de Carne Sustentável”, que certifica criações de bovinos com preocupação ambiental.

Segundo a entidade, pecuaristas que decidirem aderir deverão adotar práticas como ajustes de pastagens para evitar a perda de nutrientes do solo, além da não utilização de produtos químicos e de pastagens nativas do Pantanal, e também reforçar a proteção dos recursos hídricos e recuperar áreas degradadas. A ideia é certifica principalmente os produtores da região do Pantanal:

“Esse protocolo valoriza o homem pantaneiro, sua cultura e os processos produtivos que há mais de 200 anos preservam o bioma. Somente são admitidos animais comprovadamente nascidos no Pantanal e alimentados com pastagens naturais. Caso o produtor opte por fornecer grãos ao rebanho, eles precisam ser certificados e não-transgênicos”, explica Leonardo Leite de Barros, presidente da ABPO.

Pecuária preserva Pantanal
Desde 2003, o WWF-Brasil já apoiou a certificação de 180 mil hectares com pecuária sustentável, no Mato Grosso do Sul. Um estudo da ONG divulgado em junho indicou ainda que a pecuária vem colaborado para a preservação da região pantaneira:

“Graças à pecuária tradicional do Pantanal, 82% da planície pantaneira ainda está preservada. A parceria com o setor produtivo é de fundamental importância para que nossa missão de produzir em harmonia com a natureza seja alcançada garantindo a sustentabilidade socioambiental e econômica para esta e as futuras gerações”, diz Júlio César Sampaio, coordenador do Programa Cerrado Pantanal do WWF-Brasil.

Com informações da Gazeta do Povo. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *