Minas inicia o período do vazio sanitário para o feijão e o algodão

Começa o período do vazio sanitário do feijão e do algodão nas lavouras mineiras. A iniciativa é do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e tem o objetivo de prevenir e erradicar nas plantações a ocorrência das pragas do bicudo do algodoeiro, no caso do algodão, e do mosaico dourado e da mosca branca, no caso do feijão. As três pragas têm potencial para causar prejuízos nas plantações. No caso do algodão pode até mesmo inviabilizar o cultivo numa região inteira. No feijão, o mosaico dourado e a mosca branca causam perdas na produção e produtividade das lavouras. Para este ano o IMA estima realizar 170 fiscalizações nas lavouras das duas culturas.

Nos dois casos, durante o período do vazio sanitário os produtores ficam proibidos de cultivar as duas culturas e de manter plantas vivas ou remanescentes de safras anteriores. Para ambas as culturas o IMA permite durante o vazio o plantio em algumas áreas para pesquisa e produção de sementes genéticas. Permite também o cultivo de sementes básicas, originadas da multiplicação de sementes genéticas.

Feijão – O vazio sanitário para o feijão foi adotado em Minas em 2013 e é realizado simultaneamente com o Distrito Federal e Goiás, que fazem fronteira com o estado, o que potencializa os resultados positivos da medida. Ele dura 30 dias com início em 20 de setembro e prosseguindo até 20 de outubro. É realizado somente na região Noroeste de Minas, nos municípios de Arinos, Bonfinópolis de Minas, Brasilândia de Minas, Buritis, Cabeceira Grande, Chapada Gaúcha, Dom Bosco, Formoso, Guarda-Mor, João Pinheiro, Lagoa Grande, Natalândia, Paracatu, Riachinho, Unaí, Uruana de Minas, Urucuia e Vazante.

Com informações do Portal do Agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *