Café – Produtores contestam previsão do IBGE

O diretor da FAEMG e presidente das comissões Nacional e Estadual de Cafeicultura da entidade e da CNA, Breno Mesquita, questionou os números e a justificativa que, à medida em que a colheita avança, os produtores estariam se deparando com grãos maiores e mais pesados, e produto de melhor qualidade: “Essa afirmação não condiz com o que temos visto e com relatos de produtores de todo o país, principalmente de Minas Gerais. Pelo contrário, a falta de chuvas em alguns meses afetou diretamente o tamanho do fruto. Já dispomos de informações de que a safra será bem menor, com redução maior que a esperada para o ano de ciclo baixo. Os reflexos dessa estiagem devem se estender até a próxima safra, de 2018”.

O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Lajinha, Júlio Guimarães, também discordou do IBGE: “A previsão não reflete em nada a realidade da nossa região, Matas de Minas. Não vejo possibilidade nenhuma de concretização dos níveis que o Instituto divulgou”. Segundo ele, na maioria das cooperativas a quebra é evidente: “Há produtores da região com a safra estimada em 20% do que foi colhido em 2016. Também não constatamos melhoria na qualidade, como foi divulgado pelo IBGE”.

Arnaldo Bottrel, presidente do Sindicato de Produtores Rurais de Varginha e da Assul (Associação de Sindicatos Rurais do Sul de Minas) questionou a metodologia utilizada pelo IBGE para o estudo da expectativa de safra. Criticou, em especial, a menção do relatório a grãos de café mais pesados: “A situação é exatamente oposta: os grãos da atual safra estão menores e muito mais leves, porque, além da falta de chuva, tivemos ainda grande incidência de broca este ano”.

Com informações do Portal do  Agronegócio. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *