Congresso de Agroecologia 2017 – agroecologia na transformação dos sistemas agroalimentares na América Latina

Discutir o bem viver é o grande tema dos eventos de agroecologia que serão realizados na próxima semana em Brasília. Para desenvolver os princípios da Agroecologia é necessário buscar conhecimentos clássicos e experiências bem sucedidas com o objetivo de trazer o bem viver para a sociedade. “Nós que trabalhamos com esse tema buscamos os conhecimentos enraizados nos povos e comunidades tradicionais que construíram sistemas agroalimentares sustentáveis. A partir de memórias brasileiras e latino-americanas” assim Irene Maria Cardoso, presidente da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA-Agroecologia) define o tema do congresso.

O VI Congresso Latino-Americano de Agroecologia, o X Congresso Brasileiro de Agroecologia e o V Seminário de Agroecologia do DF e Entorno tem como tema central “Agroecologia na Transformação dos Sistemas Agroalimentares na América Latina: Memórias, Saberes e Caminhos para o Bem Viver”, e acontece na próxima semana entre os dias 12 a 15 (terça a sexta-feira).Contará com a participação de aproximadamente 4000 participantes inscritos no congresso e público bastante diverso entre pesquisadores, técnicos, agricultores, integrantes de movimentos sociais, povos tradicionais, estudantes e agentes do governo e vários países da América Latina, Europa, América do Norte.

Durante os quatro dias, os participantes terão a oportunidade de aprofundar e conhecer sobre os princípios da Agroecologia e sua aplicação prática em temas importantes para a sociedade como água, Sociobiodiversidade, saúde, alimentação entre outros, destaca a presidente do Congresso e pesquisadora da Embrapa, Mariane Vidal.

Além disso, esses eventos irão potencializar os processos participativos e de amplo diálogo entre sociedade civil, academia e poder público; fortalecer as redes e teias de agroecologia; dar visibilidade às experiências agroecológicas da América Latina; contribuir para a construção do conhecimento de base agroecológica e para os avanços teóricos, práticos e políticos.

Com informações da Embrapa. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *