Parceria permitirá investir R$ 17,7 milhões para combater bicudo do algodoeiro

A Embrapa, a Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa), o instituto de pesquisa IMAmt e a Fundação Eliseu Alves firmam acordo de parceria nesta quarta-feira (06) para desenvolver tecnologia de combate ao bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis), inseto-praga que tem causado prejuízos à cultura algodoeira.

A Abrapa destinará R$ 17,71 milhões ao desenvolvimento de pesquisa genética, sendo R$ 8,42 milhões para a Embrapa e R$ 8,13 milhões para o IMAmt. No caso da Embrapa, trabalhão equipes de duas unidades da empresa, a de Algodão e a de Recursos Genéticos e Biotecnologia.
Participarão do projeto instituições brasileiras e internacionais, com meta de desenvolver uma planta de algodão transgênico resistente ao bicudo, visando, inicialmente melhorar a competividade do produto nacional.

O Brasil tem se mantido entre os cinco maiores produtores mundiais de algodão, ao lado de países como China, Índia, Estados Unidos e Paquistão. Ocupa o primeiro lugar em produtividade em sequeiro.

Informações do MAPA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *