Oportunidade para novas redes de agroecologia

Está aberto o edital de seleção pública nº 2017/030 Ecoforte Redes, que tem como objetivo a seleção e o apoio a projetos territoriais de redes de agroecologia, extrativismo e produção orgânica, voltados à intensificação das práticas de manejo sustentável de produtos da sociobiodiversidade e de sistemas produtivos orgânicos e de base agroecológica. Os projetos enviados devem ter foco na estruturação de unidades de referência.

A oportunidade é resultado do compromisso da Fundação Banco do Brasil (FBB) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em continuar o apoio ao programa Ecoforte, e envolve tanto a consolidação das redes atendidas na seleção de 2014 quanto a inclusão de novas redes. A Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e a Secretaria-Geral da Presidência da República são as encarregadas de articular o programa junto aos demais órgãos governamentais envolvidos: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O programa Ecoforte é uma importante ferramenta e o lançamento de um novo edital era muito aguardado por famílias agricultoras e demais atores do setor, devido aos resultados positivos alcançados com a experiência do primeiro edital. O coordenador-geral de Agroecologia e de Produção Sustentável da Sead, Marco Pavarino, comenta a importância. “O programa é uma das grandes inovações que a gente tem no âmbito do Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo). Ele tem fortalecido a produção sustentável da agricultura familiar pela formação das redes que trazem conhecimentos e uma série de benefícios tanto para os agricultores, como para as organizações.” Pavarino ainda adiciona que o edital é o segundo a ser lançado. “Novamente, ele tem característica de fortalecer as redes voltadas para a agroecologia.”

Com informações do Portal do Agronegócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *