Abilio destaca trabalho de Pedro Faria na BRF

O empresário Abilio Diniz, presidente do conselho de administração da BRF, destacou, em carta, o trabalho do atual presidente da empresa, Pedro Faria, que fica no cargo até o final dezembro deste ano. No documento, o executivo afirma ainda que a empresa está encerrando um ciclo iniciado em abril de 2013 e “tem tudo para dar um salto”.

“Para tanto, precisa de renovação da sua liderança. Assim, com as iniciativas, planos e projetos já bem encaminhados, eu, Pedro e o Conselho de Administração consideramos, conjuntamente, que o momento de contribuição valorosa do Pedro à BRF como CEO está concluído”, diz na carta.

Abilio lembra que quando chegou à BRF, em abril de 2013, sabia que poderia contar com o talento e a experiência do Pedro Faria. “Em todos esses anos em que trabalhamos juntos, ele correspondeu e muitas vezes superou minhas expectativas. Ele esteve ao meu lado no primeiro “Steering Committee”, no Conselho de Administração, no Plano de Cem Dias, no Plano de Reestruturação e, mais tarde, se destacou como CEO Internacional”, lembra.

O executivo destaca ainda que durante essa bem-sucedida trajetória, Pedro Faria realizou um relevante trabalho. Sob seu comando, afirma, a BRF reorganizou sua atuação internacional para alcançar o status que estabeleceram como meta: ser uma empresa global de alimentos e não apenas a maior exportadora de frango do mundo. “Em pouco tempo, tivemos um grande sucesso, e fomos capazes de dobrar o valor de mercado da empresa”, diz.

Ele lembra que no começo de 2015 Faria se tornou CEO Global e que os planos da empresa correram como esperado, mas ressalta que no final daquele ano a conjuntura começou a mudar radicalmente. “O ciclo se inverteu e passamos a conviver com um cenário muito mais desfavorável e desafiador”, afirma.

“Entramos em 2016 sob o que chamamos de uma “tempestade perfeita”. O preço dos grãos no Brasil subiu a patamares extraordinários enquanto o preço das commodities no mercado internacional caía significativamente. Enfrentamos dificuldades nas exportações e passamos a conviver com um mercado brasileiro em forte retração. Tudo isso aconteceu em meio a uma elevada volatilidade do câmbio, que também afetou muito nossas operações no exterior. Essa combinação de fatores negativos nos levou a uma grande decepção com os resultados da BRF”, diz na carta.

O empresário lembra que a empresa entrou em 2017 com muita energia e com muita confiança. Segundo ele, para corrigir os erros internos, foi criado o segundo Steering Committee. “Passamos a contar com um ciclo mais favorável, apesar de o consumo doméstico seguir baixo e o mercado internacional, relutante. Com muito trabalho, começamos a nos recuperar e a apresentar resultados melhores neste ano até sermos surpreendidos pelo episódio da Carne Fraca, que abalou todo o setor e trouxe desafios inclusive no mercado internacional”, afirma.

Com informações da Revista IstoÉ.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *